Projeto que prevê aterramento de fiação no município do Rio completa 10 anos sem se concretizar

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Projeto de Lei de Eduardo Paes previa que toda a rede aérea fosse aterrada até 2016. Light diz que custos é alto e aumentaria contas em até 80%.
Por André Trigueiro

27/09/2021 20h18 Atualizado há 49 minutos

Há exatos 10 anos, em setembro de 2011, um projeto de lei do então prefeito, Eduardo Paes, determinava que toda a rede de fiação aérea passasse a ser subterrânea e deu prazo de 5 anos para que a Light e outras concessionárias aterrassem seus fios e cabos. Uma década depois, o prefeito é novamente Eduardo Paes, mas o município segue com a fiação aérea.

Além de disputar espaço com as árvores, a rede aérea é suscetível a quedas de árvore, furtos de cabos, postes corroídos ou ventanias, como a da semana passada.

“As leis são aprovadas, o decreto é feito mas elas (concessionárias) vão sempre alegar que a concessão federal, o direito de explorar aquele serviço , não previa essa ou aquela obrigação, entre elas o aterramento. Então, a gente precisa de uma percepção do governo federal que a vida acontece nas cidades e que o governo federal, quando fizer uma concessão que seja de sua atribuição , deve pensar naquilo que acontece nas cidades”, justifica Eduardo Paes.

Existem hoje no Rio 390 mil postes, o município é responsável por 15% deste total. O restante pertence às concessionárias.

STF decide a favor das empresas

O decreto foi judicializado e o assunto foi parar no STF, que decidiu que o custo para aterrar seria elevado demais para as empresas. Não cabe recurso. Em nota, a Light informou que a conversão de toda a rede aérea do município seria de R$57 bilhões e que esse custo se traduziria em um aumento estimado de 80% no valor da conta de luz.

Um projeto de autoria do deputado federal Paulo Ramos fixa o prazo de dez anos para que concessionárias de rede elétrica e de telefonia, com o consentimento do município troquem toda a instalação aérea nas vias públicas por fiações subterrâneas, arcando com os custos, sem repasse aos usuários

O autor pede que o texto seja votado em regime de urgência na Câmara. “As concessionárias têm uma avaliação dos prejuízos que elas próprias vêm suportando com a rede aérea. Os prejuízos são grandes, mas os consumidores estão sendo muito mais prejudicados. Como é uma concessionaria de serviço publico me parece que elas têm também uma interlocução com o poder público para que elas busquem uma equação que resolva o problema delas. Não podemos é transferir para o consumidor”, diz Paulo Ramos.

Fonte: Site do G1

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Endereço do Gabinete em Brasília
Endereço do Escritório no Rio de Janeiro