COMISSÃO DE TRABALHO DEBATE CASO DA TÉCNICA DE ENFERMAGEM ACUSADA DE TENTAR MATAR BEBÊS

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no print

Foto geral da reunião- Foto Octacílio Barbosa-Alerj

O caso da técnica de enfermagem Simone Anjos dos Santos, presa há um mês acusada de tentar matar recém-nascidos, foi debatido em audiência pública da Comissão de Trabalho, Legislação Social e Seguridade Social da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj). O encontro aconteceu nesta terça-feira (12/06).

Simone foi acusada de romper propositalmente cateteres de três incubadoras onde bebês estavam, na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) neonatal de um hospital da Rede D’or. Nenhum dos recém-nascidos morre. O crime teria ocorrido em janeiro deste ano.

De acordo com a delegada titular da Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV), Juliana Emerique, responsável pelo caso, a prisão temporária da técnica de enfermagem foi prorrogada por mais 30 dias devido à complexidade da investigação. “Trata-se de um inquérito policial muito difícil. Ele já está indo para o seu terceiro volume de informações, e iremos analisar também todos os depoimentos apresentados na audiência de hoje”, afirmou. A previsão da delegada é de que o inquérito seja concluído em até 10 dias.

No entanto, o advogado de Simone, Alberto Sampaio Júnior, defendeu a restauração da liberdade da profissional. “A lei estabelece que a prisão só deve ser efetuada quando o acusado oferece risco ao andamento das investigações. Não é o caso. Acreditamos que a denúncia feita pelo hospital foi uma forma de retaliação à intenção de Simone de acionar judicialmente a Rede D’or quando foi demitida”, alegou.

O presidente da Comissão, deputado Paulo Ramos (PDT), criticou a atuação da mídia no caso. “Observamos uma enorme criminalização da técnica de enfermagem pelos veículos de comunicação. O massacre midiático contra ela nunca será superado. É preciso que ela tenha pelo menos o direito de se defender”, afirmou.

Também participaram da audiência o defensor público Ricardo André de Souza, a presidente do Sindicato dos Servidores de Saúde Federais do Estado do Rio de Janeiro (SINDSAFERJ), Christiane Gerardo, além de familiares e ex-colegas de trabalho de Simone. A Rede D’or enviou um ofício justificando a ausência no encontro.

Fonte: Site da Alerj

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Endereço do Gabinete em Brasília
Endereço do Escritório no Rio de Janeiro