COMISSÃO DE SAÚDE DEBATE PLANO DE CARREIRAS, CARGOS E SALÁRIOS DOS SERVIDORES ESTADUAIS

O deputado federal Paulo Ramos (PDT-RJ) compareceu, na  segunda-feira (23/09), à audiência pública da Comissão de  Saúde da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. A pauta foi a implementação do Plano de Carreiras, Cargos e  Salários (PCCS) dos servidores da Saúde. O parlamentar espera que o governador Wilson Witzel cumpra com o que se comprometeu na campanha eleitoral e a lei. “Essa é a única categoria que não tem plano Plano de Cargos, Carreiras e Salário, no Estado. É um absurdo”, declara Paulo Ramos, que sugeriu aos parlamentares da Alerj intermediar uma audiência entre o governador e os servidores.

O secretário de Estado de Saúde (SES), Edmar Santos, disse vai esperar a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) para se pronunciar sobre o PCCS. O plano, instituído pela Lei 7.946/18, foi judicializado pelo governador, em maio deste ano, por meio da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) nº 1.630.  Witzel alega que o plano fere o Regime de Recuperação Fiscal (RRF), que impede o aumento de despesas   pelo Executivo.

Diversas representações de servidores da saúde estiveram na reunião. Para André Ferraz, diretor da Associação dos Servidores de Vigilância Sanitária do Estado do Rio, o PCCS seria possível caso o Governo do Estado respeitasse a aplicação de 12% da receita corrente líquida anual na área da saúde. De acordo com dados do sindicato, o impacto orçamentário em 2019 com a aplicação do plano seria de R$ 272 mil.

A Lei 7.946/18 estabelece que as remunerações dos servidores da saúde sejam reajustadas gradualmente ao longo de 48 meses. Atualmente, servidores com nível superior completo têm salário-base de R$ 1.665,72, divididos em três classes. Com as mudanças, as remunerações poderão ir de R$ 4.230,79 a R$ 6.513,11. Para os profissionais de nível médio, o vencimento-base atual é de R$ 771,54 e passaria a ter valores entre R$ 2.115,34 e R$ 3.256,47. Para os profissionais de nível fundamental completo, o vencimento-base atual é de R$ 609,74 e passaria a variar de R$ 1.586,65 a R$ 2.442,57. Os funcionários com ensino fundamental incompleto, cujo vencimento-base atual é de R$ 536,71, passariam a receber valores entre R$ 1.202,96 e R$ 1.851,90.

 

Mais Notícias

Share on facebook
Compartilhe no Facebook
Share on twitter
Compartilhe no Twitter
Share on whatsapp
Compartilhe no Whatsapp
Share on telegram
Compartilhe no Telegram
Share on email
Compartilhe no E-mail
Share on linkedin
Compartilhe no Linkdin
Share on pinterest
Compartilhe no Pinterest
Share on google
Compartilhe no Google+

Deixe um Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *